16/08/2018

Escrever é Lutar





Pelo ano de 1974, logo após a revolução do 25 de Abril, a RTP iniciou  o programa "Escrever é Lutar", que se traduzia numa série de entrevistas concedidas por figuras públicas do momento ligadas à literatura, no contexto do rescaldo da revolução aos jornalistas José Carlos Vasconcelos e Fernando Assis Pacheco.

José Saramago, Urbano Tavares Rodrigues, José Tengarrinha, Maria Velho da Costa, Jorge Reis, Baptista Bastos, Manuel da Fonseca, António José Saraiva, José Augusto Seabra e Manuel Alegre, entre muitos outros, foram algumas das figuras entrevistadas num estilo muito próprio desses tempos em que a nossa  televisão era a preto-e-branco.

A rubrica decorreu entre os anos de 1974 a 1976. Cada entrevista tinha uma duração aproximada de 25 minutos. No arquivo da RTP onde felizmente é possível aceder, ver e ouvir muitas dessas entrevistas, estão disponíveis 26 episódios, sendo que não conseguimos apurar se tal número corresponde ao total de entrevistas produzidas se apenas uma parte.

Seja como for, o material disponível é muito abrangente e, em larga medida, todos os episódios são hoje importantes documentos  e testemunhos desse período muito específico, pela visão e pensamento de figuras ligadas à literatura.

14/08/2018

José Mário Branco - Permanente revolução


Aprecie-se, ou não, José Mário Branco é um dos nomes incontornáveis da cultura e música portuguesas e desta da designada popular e de intervenção. Desde um activo na igreja católica até militante do Partido Comunista, este carismático cantautor (cantor e compositor), com a curiosidade de ser filho do professor António Branco, profícuo editor de manuais da escola primária por esses tempos dos anos 60 e 70, é de facto uma figura indelével da nossa sociedade.

Relembramos a sua figura nesta capa da revista Tele Semana de 12 de Julho de 1974, por isso logo a seguir ao 25 de Abril, em que os cantores de intervenção, atá então reprimidos e alguns deles exilados, soltaram toda a sua energia e marcaram musicalmente todo esse período pós-revolucionário.
JMB, regressou do exílio em França e na entrevista então dada à emblemática revista de assuntos televisivos e do espectáculo, disse que "...juntei-me com alguns camaradas, para tentarmos fazer um trabalho colectivo de carácter revolucionário e na base de princípios ideológicos anti-reformistas".  Para além do que isso possa querer dizer, e na altura este tipo de chavões eram moda, José Mário Branco manifestava-se, então, contra os espectáculos no "Canto Livre" no palco do S. Luís, mesmo que com nomes como Adriano Correia de Oliveira, José Jorge Letria, Carlos Paredes, Manuel Freire, Sérgio Godinho e muitos outros, porque, considerava "...são espectáculos que se dirigem a um público priveligiado. Não é para esse público que os os cantores populares devem dirigir os seus esforços, mas sim para junto das massas trabalhadores (...)...para os trabalhadores em greve, nas fábricas, nos bairros e nas agremiações populares, como é o meu caso..."

Certo é que José Mário Branco, um pouco no lado marginal da nossa realidade musical, foi prosseguindo a sua carreira com carisma e nesse aspecto manteve-se fiel ao seu estilo, compondo e cantando como se vivêssemos numa permanente revolução.

05/07/2018

Ciências Geográfico-Naturais - 1ª e 2ª Classe - Manual Escolar


Hoje trago à memória o manual escolar "Ciências Geográfico-Naturais - 1ª e 2ª Classe. É de autoria do Professor Pedro Carvalho, com edição da Porto Editora.
O manual tem as dimensões de 18 x 24 cm e 48 páginas profusamente ilustradas a cores.

O livro não tem qualquer referência à data e uma primeira análise ao estilo é de que será da década de 70.  Todavia, uma das ilustrações, a única com assinatura irreconhecível, tem o que parece ser uma referência à data de 82. Poderá assim ser do início dos anos 80? Talvez.

Este Professor Pedro Carvalho é autor de muitos manuais do ensino primário, desde pelo menos dos anos 50 a finais dos anos 70, e sobretudo das disciplinas de História e Ciências Geográfico e Naturais. Infelizmente, porque as referências na Web são quase nulas, pouco ou nada conseguimos apurar sobre este profícuo autor. Talvez alguém entre os nossos leitores possa acrescentar algo mais.

Este manual tem uma referência à colaboração de Mário Ramiro. Também sobre este nada conseguimos apurar ficando sem saber se essa colaboração se reporta à componente do texto ou da ilustração. Quanto às ilustrações também não existe referência aos autores, de resto o que na época era quase a regra, sendo que facilmente se distinguem vários estilos, pelo que será de supor que intervieram vários artistas.

Seja como for, é um belo manual, recomendado como "lições de observação", por isso muito ilustrado, abordando muitos assuntos relacionados ao tema da geografia natural e humana. 

Curiosamente são raros os manuais de ciências destinados às primeiras duas classes do Ensino Primário, até porque, principalmente na primeira delas, os alunos aprendem a ler e obviamente que apenas na segunda classe terão já a aptidão de leitura  e mesmo assim com alguma dificuldade. Daí que este tipo de manuais eram em regra destinados apenas à terceira classe e sobretudo à quarta.

Ficam, abaixo, algumas das quase meia centena de páginas.








Tópicos relacionados:


10/06/2018

10 de Junho - Dia de Portugal - 2018


Mundial de Futebol México 86 - Caderneta de cromos



O Campeonato do Mundo em Futebol, edição de 2018, a realizar na Rússia, está prestes a começar e a selecção portuguesa voltará a marcar presença, o que faz com regularidade desde a edição de 2002. Neste contexto, mas numa viagem ao passado, trazemos à memória o mesmo campeonato mas na edição de 1986 realizada no México. A selecção portuguesa esteve presente mas com uma participação de má memória, tanto desportivamente, em que não passamos da fase de grupos, como ao nível da organização e de indisciplina, uma situação que ficou conhecida como Saltillo, no que tem sido considerada como uma das páginas negras do nosso futebol. Portugal até começou bem a prova, com uma vitória sobre Inglaterra, golo de Carlos Manuel, mas as derrotas contra a Polónia (0-1) e Marrocos (1-3), ditaram a sorte e agravaram a tal má imagem. O campeonato veio a ser ganho pela Argentina que derrotou na final a Alemanha por 3-2.

Mas deixando de lado essa triste participação, a propósito dessa edição no México, que de resto já havia recebido a prova em 1970, foram produzidos muitos produtos de merchandising associados ao evento, nomeadamente colecções de cromos. E, numa altura em que ainda não estavam em moda os monopólios e exclusivos, foram várias as editoras a lançar no mercado algumas colecções, nomeadamente a brasileira Editora Morumbi, com uma bela cadernetas, com muito boa qualidade gráfica, em Portugal patrocinada pelas marcas Corte Inglês e Triple Marfel, que vestiram e equiparam a selecção nacional, baptizada de "Os Infantes".

Como atrás se disse, esta colecção foi editada em Portugal pela Editora Morumbi, no entanto certamente sob licença da Panini, já que na realidade para outros países a editora da mesma colecção é precisamente a Panini. Mas não deixa de ser surpreendente esta situação já que na edição da Morumbi não aparece qualquer referência de direitos à Panini.

A selecção portuguesa lá está representada, tanto na contra-capa (imagem abaixo) como nos cromos individuais (16), a saber: Bento, Damas, João Pinto, Venâncio, Frederico, Morato, Inácio, Veloso, André, Sousa, Jaime Pacheco, Carlos Manuel (autor do célebre e monumental golo na Alemanha e contra a respectiva selecção, em 16 de Outubro de 1985) que na última jornada nos deu o apuramento), Futre, Gomes, Diamantino e Jordão. O seleccionador era José Torres, o "Bom Gigante".

Uma fantástica equipa, com jogadores de excelência mas que, infelizmente, numa época em que por cá grassava muito amadorismo na condução do futebol de selecções, ficaram muito aquém das expectativas. De algum modo, o caso Saltillo serviu de exemplo e emenda e hoje em dia podemos apontar muitos defeitos e vícios à Federação Portuguesa de Futebol, mas não seguramente no aspecto de organização e criação de condições para as diferentes selecções, no que tem dado frutos.

09/06/2018

Frisumo - Autocolantes



A marca de refrigerantes Frisumo é uma das mais importantes e emblemáticas do nosso mercado e do imaginário colectivo. Eventualmente menos carismática que a concorrente Sumol, mas igualmente importante. De resto, para a pequenada e adeptos do coleccionismo, foi sempre profícua nas ofertas e brindes, como os da campanha (do princípio dos anos 80) a que as imagens acima se referem em que depois de angariados pontos que podiam ser retirados da película interior das cápsulas das diversas garrafas, os mesmos colados num folheto próprio, podiam ser trocados por autocolantes nas lojas aderentes ou directamente na empresa. Cada 12 pontos davam direito a 4 autocolantes. Por sua vez os autocolantes eram muitos (a campanha fala exageradamente em milhões) e diversificados, sobretudo de emblemas e crachás.  Nos sítios de vendas e leilões ainda é possível adquirir alguns desses autocolantes.

A Frisumo foi introduzida no mercado em 1971. Actualmente faz parte do grupo da Unicer, produtora, entre outras, da marca de cervejas Super Bock.
Por informações relativamente recentes,  juntamente com outras marcas como a Frutea e Frutis, a Frisumo estará  a ser produzida pela empresa Font Salem, que adquiriu a anterior fábrica da cerveja Cintra, em Santarém, numa parceria com a Unicer, que decorre do facto desta ter encerrado a anterior fábrica da Rical onde o Frisumo era produzido, com a intenção de a deslocalizar para o norte - Leça do Balio. Para o desemprego foram cerca de centena e meia de trabalhadores, sem dó nem piedade e com um amargo de boca.
Como se vê, voltas e voltas, coisas e loisas do mundo empresarial onde as marcas andam de mão-em-mão ao sabor dos interesses económicos. Quando não são tentáveis, assim como as pessoas, descartam-se.

08/06/2018

Lisboa é tua, não deites lixo na rua


O lixo, sobretudo o plástico, volta a estar na ordem do dia. Mas em 1981, na presidência de Nuno Krus Abecassis, a Câmara Municipal de Lisboa, fazia a campanha "Lisboa é tua, não deites lixo na rua" no âmbito do programa "Lisboa cidade limpa", como o documenta o cartaz acima publicado, numa mensagem sobretudo para adultos mas usando crianças, afinal, então como agora, a esperança de um melhor futuro.

É verdade que o problema do lixo, e do plástico em particular, são um problema de há décadas, mas de preocupação generalizada mais ou menos recente. Pelo início da década de 80, sendo já uma preocupação, a coisa ainda era ligeira e o hábito de sujar e conspurcar  a natureza e os espaços públicos, tanto nas cidades como até mesmo nas aldeias, estava ainda muito enraizado. Volvidos quase 40 anos, começa-se a perceber os efeitos do lixo e da poluição, na natureza e no clima, certamente que já de forma irreparável e com elevados custos sobretudo para as futuras gerações. É certo que muito tem sido feito, tanto nos hábitos das pessoas como nos procedimentos das entidades públicas, incluindo legislação mais apertada, sendo adoptados tratamentos, como a generalização do saneamento público, aterros e estações de tratamento, mas muito ainda falta fazer, mesmo ao nível dos hábitos de consumo. Deste modo, a mensagem de há 40 anos continua ainda actual.

TALVEZ QUEIRA REVER