30/07/2008

Brincadeiras de ontem e de hoje

 

santa nostalgia brincadeiras

Actualmente o grosso dos tempos livres das crianças é passado de forma estática frente ao televisor, em jogos no computador ou em consolas, como a Play Station.
Sem dúvida que os tempos, os contextos e os meios são outros, bastante diferentes dos anos 70, por exemplo, mas desde logo há uma ideia base que ressalta: As crianças de agora tendem a passar os tempos livres em situações de isolamento, com todos os inconvenientes, não só em casa, como até nos ambientes do recreio na escola. Os brinquedos actuais, as consolas, os telemóveis e afins, confina-os a esse auto isolamento porque pela sua natureza não são propriamente brinquedos de partilha ou de conjunto.

As emoções são assim individualizadas e pouco exteriorizadas. Qualquer técnico da temática da criança, sua psicologia e desenvolvimento, saberá identificar os aspectos negativos que esta realidade pode comportar se não houver outras situações que procurem menorizar esta realidade.


Pelo contrário, de há vinte e cinco anos para trás, as crianças brincavam sobretudo em conjunto, praticando jogos que requeriam precisamente essa componente de equipa. Frequentemente, as brincadeiras e os jogos implicavam a disputa, o desafio constante de se levar a melhor sobre os outros e a superação sobre si próprio, commportando na sua maioria uma forte componente lúdica mas também desportiva. O exercício físico estava assim presente na maior parte das brincadeiras. As corridas, os saltos, a perícia e até mesmo os exercícios mentais, estavam omnipresentes em todos os momentos de brincadeira, tanto no recreio da escola, como nos restantes tempos livros. Acresce que muitos dos brinquedos eram construídos pelas próprias crianças, incluindo todo um processo de imaginação e destreza.


Hoje as crianças, fora do contexto escolar, quase não tem amigos ou colegas de brincadeira. Até mesmo em ambientes pouco urbanos, as crianças quase não têm vizinhos. Outrora, a rua era um dos palcos da brincadeiras. Hoje, pelos piores motivos relacionados com a insegurança, ninguém permite que o filho brinque na rua, mesmo que em frente da casa. Para além do mais, hoje a maior parte das crianças são filhos únicos, pelo que nem com os próprios irmãos é complementada a partilha dos jogos e emoções das brincadeiras. Para agravar a situação, é reconhecido que os pais, devido às exigências do dia-a-dia, também brincam muito pouco com os seus filhoes. Os pais portugueses estão à frente nesta negativa realidade.


Com toda esta situação como pano de fundo, trazer à memória neste espaço,  brinquedos, brincadeiras e formas de brincar das crianças de há trinta anos, acaba por ser um exercício de comparação e reflexão entre os diferentes contextos temporais, sociais e culturais, mas também uma forma de documentar esses momentos mágicos, que certamente jamais serão repetidos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: