18/12/2008

O Cavaleiro Andante - Banda Desenhada

 

No panorama das edições de banda desenhada em Portugal, a revista "O Cavaleiro Andante" é uma das que merece uma justa referência: Propriedade da Empresa Nacional de Publicidade, e tendo como director Adolfo Simões Muller, esta revista semanal fez e certamente continua a fazer parte do imaginário de muitos portugueses.
É verdade que quando eu nasci já a revista tinha terminado (foi publicada entre 5 de Janeiro de 1952 a 25 de Agosto de 1962) mas mesmo assim, quando era criança, era com facilidade e frequência que acedia a estas revistas, prinicipalmente resultantes de empréstimos e trocas com outro colegas. Foi por ela que aprendi a gostar de banda desenhada e de muitos dos heróis publicados.


Numa época em que a indústria gráfica apresentava poucos recursos tecnológicos, a revista O Cavaleiro Andante primava pela qualidade e quantidade de cor nas suas páginas. Por conseguinte, as diversas aventuras publicadas semana após semana, quase sempre com episódios a continuar, eram absorvidos com paixão e entusiasmo pela juventude.


Hoje, para além de fazer esta referência nostálgica à revista de O Cavaleiro Andante, a pretexto da época de Natal, aproveito para publicar algumas capas da revista com referência a esta época festiva, que comemora o nascimento de Jesus.
Recorde-se que para além da revista básica, semanal, eram publicados periodicamente alguns números especiais, nomeadamente dedicados ao Natal, quase sempre contendo histórias completas. A revista também publicava diversos suplementos, como o BIP-BIP e o Pagem.

Entre as minhas colecções de banda desenhada, da revista O Cavaleiro Andante conseguir guardar cerca de duas centenas de números, alguns dos quais a seguir publico, referentes ao Natal.

Foi bom recordar.

santa nostalgia natal cavaleiro andante_03

- Número especial do Natal de 1953

santa nostalgia natal cavaleiro andante_01

- Número especial do Natal de 1954

santa nostalgia natal cavaleiro andante_02

- Número especial do Natal de 1955

santa nostalgia natal cavaleiro andante_04

- Nº 469 de 24/12/1960

cavaleiro andante

- Capa histórica do Nº 1 da revista de O Cavaleiro Andante

5 comentários:

  1. Ainda não sabia ler, quando o Cavaleiro Andante entrou em minha casa, pela mão do meu pai. Era um prazer quando ele me lia as diversas aventuras e depois, quando aprendi a ler, eu próprio me deliciava com elas.
    Ajudaram a formar o meu carácter, e geraram os centros de interesse que iriam acompanhar-me durante a vida. Hoje com 62 anos, recordo esses tempos com prazer e nostalgia. Conheci este blog por puro acaso, quando buscava imagens no google, para ilustrar as minhas recordações.

    ResponderEliminar
  2. Nasci em Angola onde também chegava o Cavaleiro Andante. O meu pai faz a sua assinatura a meu pedido e era uma alegria quando ele a trazia do correio onde chegava, muitas vezes com atraso. Porém desapareceu passado pouco tempo, datando dessa altura a aparição duma outra de nome "Zorro". De tamanho menor mas com mais páginas, nela li pela primeira vez as aventuras de Astérix, Hum-pa-pa e tantos outros.

    ResponderEliminar
  3. Escrevo do Brasil. Tenho alguns exemplares, alguns bem conservados, outros nem tanto. Se a revista durou 10 anos, teriam existido cerca de 500 exemplares. Haveria interesse e possibilidade em ser criado um portal que buscasse colocar a coleção o mais completa possível da revista? De minha parte me comprometo a aos poucos digitalizar e enviar os exemplares de que disponho.
    Se houver interesse, podem entrar em contato comigo pelo meu blog papagalis.blogspot.com.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostava de obter os nºs. 555-556: se alguém os tiver para venda, eu compro. O Cavaleiro Andante introduz em Portugal a BD de origem franco-belga, publicada nas revistas Tin-Tin, Pilote e Spriou, se não estou enganado. Introduz no panorama editorial portugues uma qualidade muito superior ao que se tinha e se publicava. Foi continuada pelo Zorro e pelo Tin-Tin portugues. Tenho 57 anos e não comprei o CA: comprei o Zorro e o Tin-Tin. A revista mais popular nos anos 50-60 foi sem dúvida o Mundo de Aventuras (mais barata) mas com uma qualidade péssima: as histórias eram mutiladas e com textos imbecis. Salvaram-se as fabulosas capas de José Manual Soares. Um abraço e venha daí a conversa

      Eliminar
    2. Ola, sou o Gizmo do blog Tralhas Varias (http://tralhasvarias.blogspot.com). Neste momento possuo algumas categorias abertas, algumas das quais dedicadas a disponibilizar em formato digital revistas velhitas como o Cavaleiro Andante, Texas Jack, Falcao, Condor, Mundo de Aventuras, etc.

      Teria muito prazer em colaborar contigo nesta viagem pela BD portuguesa dos anos 50/60!

      Gizmo

      Gd

      Eliminar

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: