17/03/2009

Sandokan - O tigre da Malásia


image

Uma série de televisão que hoje trago à memória é "Sandokan - O tigre da Malásia".
Trata-se de uma série  de 6 episódios de 60 minutos cada, co-produzida pela televisão italiana, RAI em parceria com a ORTF e Bavaria Film, em 1976, baseada no livro de Emílio Salgari e com realização de Sergio Sollima. Entre nós a série foi exibida a preto-e-branco na RTP. O primeiro episódio foi para o ar numa sexta-feira, 19 de Novembro pelas 22:00 horas.

Principais intérpretes e personagens:
Kabir Bedi --- Sandokan
Philippe Leroy --- Yanez De Gomera
Carol André --- Marianne
Hans Caninenberg --- Lord Guillonk
Adolfo Celi --- Lord Brooks
Andrea Giordana --- Sir William Fitzgerald
Renzo Giovampietro --- Dr. Kirby
Milla Sannoner --- Lucy

O intérprete principal, Kabir Bedi,  era de origem indiana e foi convidado pela RAI para o papel do herói.
A série foi rodada nos locais originais descritos pelo Emílio Salgari, ou seja na região da Malásia e Bornéu, na altura dominada pelo Império Británico e pelos interesses comerciais da Companhia das Índias.
Sandokan, o Tigre da Malásia, é de origem real, mas, por vingança de quem lhe assassinou a família, privando-o do seu reino, transforma-se num pirata aventureiro, temido pelos navios ingleses e holandeses.
Sandokan tinha uma amigo inseparável, pelos vistos português, chamado Ianes, também de origem nobre mas um aventureiro nato.
Com o desenrolar da história, Sandokan conhece e apaixona-se por Marianne, a bela orfá, que vive com o seu tio, Lord James Guillonk, em Labouan.
A série é dominada pela intriga, aventura e acção. Sandokan chega a casar com Marianne, mas o final termina em tragédia, pois Marianne morre atingida por uma bala numa das lutas finais do grupo de Sandokan com os soldados.

A série teve um assinalável êxito, tanto em Portugal como em toda a Europa. O tema de abertura da série tornou-se inesquecível e ainda hoje é recordado facilmente por quem na altura assitiu à série.
Para além do êxito da TV, entre nós foi editada uma caderneta com 300 cromos, com fotogramas da série, que assim ajudou a perdurar as memórias à volta do heróis de olhos pretos. Como não podia deixar de ser, essa caderneta faz parte da minha colecção.
Quando a série foi exibida, eu era pouco mais do que uma criança, pelo que as aventuras do Tigre da Malásia serviram de inspiração a muitas das nossas brincadeiras.

sandokan 01

sandokan 08

sandokan 02

sandokan 09

sandokan 03

sandokan 10

sandokan 04

sandokan 11

sandokan 05

sandokan 06

sandokan 07

image

sandokan 12
sandokan 13



8 comentários:

  1. O Ianes é efectivamente português (o nome poderá ter sido inspirado em Gomes Eanes de Zurara)

    http://portugal-mundo.blogspot.com/2007/12/yanez-o-fiel-companheiro-de-sandokan.html


    Yanez de Gomera é um português que funciona, desde o primeiro episódio da saga, como um complemento de Sandokan, sendo apresentado como um personagem astuto, inteligente, irónico e sempre optimista, características que o tornam uma espécie de co-protagonista, surgindo como protagonista em alguns dos livros como "A reconquista de Mopracem" e "A Vingança de Yanez" (publicado, postumamente, em 1913).

    Na famosa série de TV, o português é interpretado pelo actor francês Philippe Leroy.

    ResponderEliminar
  2. Houve um tempo em que a televisao brasileira exibia series em nos fazia acreditar na honra dos homens, no valor da familia, na justiça ,apesar de todas as dificuldades. Tenho, hoje 43 anos e me lembro dessa serie . Que saudade! Nao entendo como nao foi novamente exibida para as novas geraçoes. Acho que esses valores nao dao ibope, nao estao mais na moda,ne?

    ResponderEliminar
  3. Acho muito legal essa historia dos piratas.Sandokan sempre combatendo os enemigos e seu amigo ianes ajudandolo sempre,e sua noiva adimirandolo.

    ResponderEliminar
  4. Esta série encantou a minha infância e que pena nao ter sido reproduzida, seria muito mágico se hoje em nossa tv tivessemos o prazer de rever este maravilhoso filme, tenho certeza que nao somente eu Angela como esta nova geração teriamos o prazer de ver este grande espetáculo. Estou com 45 anos hoje.

    ResponderEliminar
  5. Ângela,
    certamente que seria interessante ou mesmo mágico rever esta série, assim como outras.
    Todavia, quase sempre a magia e nostalgia associadas a estas memórias resultam precisamente do tempo. Significa que quando na actualidade temos a oportunidade de rever certas séries, corre-se o risco desse encanto ser quebrado porque os nossos olhos e o nosso entendimento já não são os mesmos de criança ou adolescente.
    Volte sempre.

    ResponderEliminar
  6. A série foi transmitida no final de 1976 como se pode comprovar em http://santa-nostalgia.blogspot.pt/2009/02/anos-70-programacao-rtp-ii.html

    ResponderEliminar
  7. Vi a série em DVD. Sem dúvida, é a melhor série que alguma vez a RAI já produziu, uma das melhores de sempre.

    ResponderEliminar
  8. maravilhoso naõ esquço eu era criança

    ResponderEliminar

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: