04/05/2009

Vasco Granja deixou-nos…





































Soube, há instantes, que faleceu o Vasco Granja. Foi já de madrugada, em Cascais, onde vivia. Tinha 83 anos.
Esta triste notícia acabou por ser para o Santa Nostalgia uma infeliz coincidência, pois precisamente neste dia publicamos um artigo onde falamos do apresentador e do seu “Cinema de Animação”, a propósito da série de animação polaca, dos anos 70, “O Lápis Mágico”.
É uma infeliz coincidência porque à hora da publicação do artigo, obviamente não sabíamos do triste acontecimento, que apenas foi noticiado há minutos. Aliás, o artigo esteve para ser publicado durante o dia de ontem, Domingo.
Neste contexto, para além do que já falámos acerca do Vasco Granja, queremos deixar aqui uma sentida homenagem a esta figura incontornável da televisão portuguesa e de modo especial do cinema de animação.
O seu e nosso “Cinema de Animação” era um mundo de divertimento e fantasia, um espaço quase mágico que ajudou a enriquecer esse tempo fantástico e inesquecível que é a nossa infância.
Que descanse em paz.

5 comentários:

  1. é realmente um momento muito triste.
    Como digo no meu blogue, o Vasco Granja marcou profundamente a minha (nossa) geração; foi ele que me inculcou, a mim e a muitos milhares de portugueses, o "bichinho" da banda desenhada e dos desenhos animados.
    Fica a recordação e o reconhecimento de todo um basto trabalho em prol da banda desenhada e do cinema de animação em Portugal.
    São momentos muitos tristes ver-mos partir os heróis das nossas infâncias.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. "É uma infeliz coincidência"

    O que importa é o belo post sobre o Vasco Granja ali embaixo. De qualquer modo a vida tem estas estranhas coincidências sim.

    Uma grande perda.

    ResponderEliminar
  3. Nos anos em que ainda se dava valor ao pouco que nos era dado, Vasco Granja enchia-nos a tarde de alegria com a sua "Animação". Deixará saudades a toda uma geração que com ele aprendeu a ver televisão e a apreciar a arte da banda desenhada.

    ResponderEliminar
  4. O tempo passa sem contemplações.
    Ao vermos partir as nossas referências, apercebemo-nos dolorosamente dessa realidade.
    A melhor forma de reconheçer o mérito de quem viveu é não o esquecer depois de nos deixar.
    Vasco Granja permaneçerá sempre na nossa memória.
    Foi uma excelente homenagem, o artigo anterior!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Olá Santa

    Nostalgia é quase como saudade, ponto. Vim aqui porque te encontrei ao virar da esquina da FÁBRICA. O malandro do Armando - que já é meu (per)seguidor - arranja-nos cada uma...

    ... e eu que, além de jornalista, dizem que escritor e gordo, ainda por cima também sou Armando... de segundo nome e de segunda.

    Foi lá que deixei um textículo (com x) sobre o Vasco. Que conheci bem. Se quiseres ler, o dito cujo Armando não cobra nada, dizem-me.

    Já agora, vai à Minha Travessa, sil us plau (sff em català puríssimo) e diz se gostas e inscreve-te e...

    Aproveito para te informar de que:

    PASSATEMPO/CONCURSO

    Está a decorrer n’A Minha Travessa do Ferreira, um novo passatempo/concurso sobre o tema Frases feitas. Vai até sexta-feira, 8.

    Há prémios diversos para os três vencedores, incluindo os «prémios/mistério» que têm sido muito bem acolhidos por que os tem ganho.

    Se quiseres dar lá um saltinho e tentar a sorte – muito obrigado. E passa a informação aos teus amigos e correspondentes, por favor. Lá te espero e a eles também…

    Qjs = queijinhos = beijinhos, só que com mais marcas de rótulo e não de baton...

    ResponderEliminar

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: