30/06/2009

Cerveja Sagres e laranjada Gruta da Lomba


cerveja sagres a sede que se deseja santa nostalgia

O meu primeiro contacto com a cerveja não foi o mais feliz. Compreender-se-á porquê: Tinha 10 anitos e a cerveja foi surripiada a uma barraca de comes-e-bebes montada no arraial da festa anual da minha aldeia, em horário morto, isto é, pelas 6 horas da madrugada, numa altura em que o dono, cansado da faina de véspera, tinha ido dormir a casa.

O “assalto”, foi combinada previamente por mim, por um dos meus irmãos e por mais dois ou três amigos. Não teve mapa esquemático, é certo, mas obedeceu a algum rigor no planeamento em que cada elemento do "gangue" tinha uma função específica.
Para além de duas cervejas, uma Sagres e uma Cergal, a empreitada rendeu ainda duas laranjadas de litro da "Gruta da Lomba".

Depois de consumado o "assalto", fomos beber o espólio para um local escondido num pinhal vizinho. As laranjadas foram rapidamente emborcadas até à última gota. Já as cervejas não mereceram a aprovação do grupo pois eram demasiado amargas, pelo que, supunha-se, "deviam estar estragadas". Ainda houve quem fosse a casa gamar na despensa da mãe um quilo de açúcar amarelo, que se misturou à fartazana, mas nem assim a cerveja se mostrou tragável. Resultado, o verdadeiro gosto pela cerveja, que se aprende a gostar, e cuja sede se deseja, como diz o reclame acima, só chegou mais tarde, quase na maioridade. Ainda bem. Pouparam-se algumas pielas.

Importa acrescentar que o "assalto" foi logo detectado porque algum delator no grupo deu com a língua nos dentes" pelo que, para além de reparado o prejuízo em dinheiro vivo, cada um apanhou uma valente coça paternal daquelas que, hoje em dia, davam para colocar os pais na prisão acusados de violência e maus tratos a menores. Verdade se diga, foi uma boa lição, daquelas que se aprendem e jamais esquecem. Por vezes penso que se alguns dos modernos criminosos apanhassem ao primeiro delito uma daquelas valentes tareias, tinham mudado logo ali os seus destinos de criminosos. Hoje poderiam ser excelentes administradores de bancos ou directores de empresas e institutos públicos, quiçá até membros do Governo da nação ou deputados da Assembleia da República. Digo eu…

Quanto à laranjada, marca "Gruta da Lomba", era produzida por uma fábrica, situada em Guetim - Espinho, que ainda hoje se mantém em produção. Na altura era de muito boa qualidade e vendia-se em garrafas de litro, de vidro, com rótulo pirogravado.
Para além de saborosos copos que bebia nas quentes tardes de Verão, recordo-me de, várias vezes, participar em jogos de futebol, no largo da escola, contra um grupo de rapazes de um lugar vizinho, cujo troféu era precisamente uma laranjada de litro da “Gruta da Lomba”. Quando o troféu não era quebrado à pedrada ou pela fisga de alguém invejoso, já que estava exposto orgulhosamente no cimo de um cruzeiro do largo, no final da vitória lá se procedia à distribuição pelo grupo, bebendo todos da própria garrafa e com o tempo dos goles a ser bem cronometrado.

Bons tempos!

1 comentário:

  1. Estas anécdotas podía ser aprovechadas para un capítulo de la serie TV "Cóntame".......

    ResponderEliminar

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: