02/06/2009

A sentença de Salomão – Viagens pelos livros escolares - 9


De novo uma viagem ao livro de leitura da terceira classe. Desta vez recordamos uma das muitas lições que se tornaram parte das memórias de todos quantos aprenderam por esse livro. Trata-se da lição “A sentença de Salomão”.
A história narrada é por demais conhecida e pretende demonstrar o verdadeiro amor de mãe, que prefere perder o filho para outra, que falsamente o reclama, a ver executada a sentenção de morte.
Numa altura em que algumas situações mediáticas (casos de Esmeralda, a menina de Torres Novas e recentemente o de Alexandra, a menina russa) têm trazido à discussão os direitos de paternidade/maternidade, biológica em contra-ponto à afectiva, esta lição não deixa de ser propícia a algumas reflexões.
Sem querer fazer juízos de valor, porque é assunto demasiado complexo, o caso recente da menina russa, cujo juiz do caso determinou a sua entrega à mãe biológia e por conseguinte o seu envio para a Rússia, a par de posteriores imagens que divulgam uma relação pouco afectiva entre a verdadeira mãe e a sua filha, já no novo lar, relança a discussão para novos patamares. Este poderá ter sido mais um caso onde aparentemente a lógica fria da justiça se sobrepõe à razão da emoção das verdadeiras afectividades.
Infelizmente, com a desagregação da família e uma sexualidade irresponsável, vivida cada vez mais ao sabor dos momentos, com o aborto como rede de trapezista, sobram as crianças que muitas vezes caem nesta disputa de direitos, emoções e razões. Cada vez mais, somos uma sociedade de órfãos e mães solteiras. Quando se pensava que este era um flagelo ou produto da suposta miséria vigente no nosso país antes do 25 de Abril de 1974, a verdade é que tem aumentado consecutivamente  porque a miséria deixou de ser física mas passou a ser moral e comportamental. 
Infelizmente, as coisas não estão para melhorar. Talvez, quem sabe, com algumas sentenças salomónicas…

a sentença de salomão santa nostalgia 01
a sentença de salomão santa nostalgia 02

(clicar nas imagens para ampliar)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: