15/07/2009

Água da fonte – Viagens pelos livros escolares - 14

 

agua da fonte santa nostalgia 01

agua da fonte santa nostalgia 02

Actualmente, mesmo em muitas aldeias do interior, a água canalizada já chega com todo o comodismo às torneiras das casas. Mas nem sempre foi assim: Noutros tempos, o abastecimento público de água era um privilégio das cidades e vilas e nem todas. Por conseguinte, as fontes e poços tinham uma importância extrema no fornecimento de água às populações, tanto para consumo como para rega.


No tempo do Estado Novo, a construção de um lavadouro público, quase sempre ao lado de um fontenário, era uma obra deveras importante para as populações locais. Neste contexto, na minha aldeia, que até é pequena, existem pelo menos 6 desses equipamentos, quase todos construídos no início dos anos 60.
Com o tempo foram perdendo importância pelo que a utilização do lavadouro é já muito esporádica. As fontes continuam a funcionar, é certo, mas pouco aproveitadas, até porque a água que brota nalgumas delas estão consideradas impróprias para consumo. Dizem que estas análises oficiais têm uma estratégia  de obrigar as pessoas a solicitarem o abastecimento de água pela rede pública, que no caso já serve toda a freguesia. Será?


Actualmente, na minha freguesia e nas vizinhas, e isto deve ser uma tendência generalizada, é frequente as pessoas virem com uma carrada de garrafões abastecerem-se de água junto das fontes mais populares. É uma forma de pouparem no consumo da companhia mas também porque a água natural é de facto melhor.


Na casa de meus pais sempre existiu uma fonte de água permanente, entubada a partir de um monte próximo, percorrendo cerca de mil metros desde a mina de origem. Ainda hoje é dessa fonte que se abastece a casa.
Acresce dizer que essa água a partir da origem é distribuída em partes semelhantes por mais quatro proprietários ou consortes, como se diz por aqui. A divisão é realizada numa caixa central.


Por conseguinte, em criança nunca tive muito trabalho a água mas a minha mãe narra-me histórias em que ela, quando criança, tinha como uma das tarefas deslocar-se a uma fonte distante, várias vezes ao dia, transportando água num caneco de madeira. Tempos difíceis.

agua da fonte santa nostalgia 03

agua fonte fontenario santa nostalgia 04

agua fonte fontenario santa nostalgia 06

agua fonte fontenario santa nostalgia 07

Apesar, de como se disse no início do texto, a água canalizada já chegar a muitas aldeias, mesmo interiores, também é verdade que em muitas outras, o acesso e utilização da água é igual ao de outros tempos, com recurso a fontes e a nascentes, sendo necessário o transporte quase diário.


Os povos antigos tinham uma notável capacidade de aproveitamento da água. Na minha aldeia existem inúmeras represas (presas como por aqui se diz), minas, charcos e poços, para além das fontes naturais. Era notável o sistema de transporte por gravidade, usando-se os canais chamados regos, que em muitos casos percorrem enormes distâncias, desde a origem até aos campos.

O uso dessas águas e desses sistemas, era quase sempre comunitário ou de grupos de consortes. Nalgumas zonas existem mesmo associações de utilizadores de água para o uso de regas. Nesses antigos sistemas, a sua manutenção competia a todos, normalmente uma vez por ano antes do Verão, previamente ao tempo das regas. A distribuição obedecia a “giros” transmitidos de geração em geração e muitas vezes eram anotados nas escrituras testamentárias. Uns tinham água de manhã, outros só de tarde, outros todo o dia, uns apenas uma vez por semana ou de quinze-em-quinze dias e outros várias vezes por semana, etc.

Estes giros e estas distribuições nem sempre estavam relacionadas com a quantidade e área das propriedades mas principalmente com a importância dos proprietários na origem. Ou seja, se um rico proprietário investiu mais dinheiro na obra, naturalmente o usufruto ficou determinado pela importância dessa participação. Os proprietários com fracos recursos, resignavam-se a uma pequena parte no uso do sistema e da partilha da água, quase as sobras.

Tudo isto teve os seus dias, nos tempos dos nossos avós e dos pais destes. Na actualidade, por questões práticas e de funcionalidade, os novos proprietários modernizaram-se, realizando poços e furos equipados com bombas eléctricas, abastecendo modernos sistemas de rega,  pelo que o sistema antigo já quase desapareceu. Subsistem alguns poucos exemplos, em aldeias do interior ainda com forte predominância agrícola, mas até esses têm os dias contados. Quando muito, podem ser conservados como exemplos de património rural que algumas autarquias começam a valorizar como componente turística.


Também no vale da ribeira que atravessa a minha aldeia, existe todo um sistema de levadas e regos que possibilitava a rega  a quase todos os campos localizados nas margens. Hoje também quase não são utilizados.


Muito mais há a dizer sobre a água e sua importância económica, social e cultural, de modo especial nas aldeias, no contexto de consumo doméstico e da agricultura.


Prometemos voltar a este assunto.

(clicar nas imagens para ampliar)

barra2

1 comentário:

  1. As "levadas".....¿Sólo se podían realizar en pueblos que estuvieran en cuesta?

    ResponderEliminar

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: