27/07/2009

Festas e romarias – A procissão

 

procissao na aldeia santa nostalgia 01

procissao na aldeia santa nostalgia 02

procissao na aldeia santa nostalgia 03

(páginas do “Livro de leitura da primeira classe” - clicar nas imagens para ampliar)

 

Será já no próximo fim-de-semana a festa anual da minha aldeia. Como manda a antiga tradição, é o primeiro Domingo do mês de Agosto a determinar a data. Tempos houve em que a festa se resumia ao dia de Domingo, mas já há bastantes anos que se prolonga de Sábado a Segunda-Feira e mais recentemente foi-lhe acrescentada a Sexta-Feira.


A festa da minha aldeia na actualidade é idêntica a muitas outras que ocorrem por estes meses de Verão em quase todas as aldeias deste nosso Portugal. Desde as mais humildes e discretas até às mais populares, extravagantes e despesistas, há-as para todos os gostos e em todos os recantos, desde o Minho ao Algarve, desde o Litoral até ao Interior, não esquecendo, naturalmente, os Açores e a Madeira.


Actualmente estas festas e romarias continuam a ser diferenciadas principalmente pelas dimensões e respectivos orçamentos, quase sempre desmesurados, mas no resto uniformizaram-se nas suas características. A componente religiosa, quase sempre a génese das mesmas, como a devoção ao santo ou à santa, o pagamento de votos, promessas e orações, há muito que tem sido relegada para um plano secundário e meramente formalista. Em contraponto, ganhou predominância o lado profano, com vastos programas musicais, onde predomina o brejeirismo “pimba” e elementos de diversão. Assim, não há festa popular que se preze que não conste no seu cartaz alguns cantores da nossa praça, a banda de música de baile, o seu parque de diversões, com pistas e carrocéis, as roullotes das farturas e bifanas e as tendas dos chineses, africanos e marroquinos, à mistura com as barracas de fruta, brinquedos, calçado e roupa.
Depois, barulho, muito barulho, numa profusão e mistura de sons.


As partes religiosas habitualmente constam de missa solene, em honra do santo ou santa da terra, com pregador encomendado fora da terra e depois a procissão, mais ou menos solene, acompanhada habitualmente pela banda filarmónica.

Apesar de tudo, nomeadamente desta generalização imposta pelos conceitos consumistas da aldeia global, felizmente ainda há tradições, traços e características muito próprias que se vão mantendo em muitas dessas romarias. São raros os exemplos, é certo, mas principalmente no interior, ainda subsistem romarias muito genuínas com as tradições ainda muito vivas. No caso da festa da minha aldeia, digamos que as coisas já foram mais genuínas mas ainda há aspectos que preservam costumes bem antigos.


De todas essas tradições, a procissão solene apresenta-se como elemento comum em quase todas as romarias mas infelizmente também já muito adulterado. Já quase ninguém se ajoelha à passagem do Santíssimo, já quase não há colchas coloridas e bordadas nos parapeitos das janelas ao longo do percurso atapetado de grafismos com flores. Os andores continuam lá, é certo, mas a devoção escasseia. Outrora estes eram enfeitados com as flores da época (rosas, cravos, agapantes, etc), de forma modesta mas condizente com a simplicidade e ascetismo da vida terrena dos santos. Hoje em dia o luxo e a vaidade chegaram aos andores, com lojas de floristas competindo entre si numa extravagância despropositada de modelos e flores exôticas importadas, à mistura com outros elementos decorativos nada adequados.


Vai longe o tempo da procissão genuina, aquela dos versos de António Lopes Ribeiro, cantada (ou dita)  pelo João Villaret ou a pintada pela sublime arte de José Malhoa. A procissão transformou-se, assim, em mais um elemento alegórico feito essencialmente para a vista, para os olhos, e menos, muito menos, para a alma, para o espírito. Sinais dos tempos.

Tocam os sinos na torre da Igreja…

Tocam os sinos na torre da igreja,
Há rosmaninho e alecrim pelo chão.
Na nossa aldeia, que Deus a proteja,
Vai passando a procissão.

Mesmo na frente, marchando a compasso,
De fardas novas, vem o so-li-dó.
Quando o regente lhe acena com o braço,
Logo o trombone faz popó, popó.

Olha os bombeiros, tão bem alinhados!
Que se houver fogo vai tudo num fole.
Trazem ao ombro brilhantes machados,
E os capacetes rebrilham ao sol.

Olha os irmãos da nossa confraria!
Muito solenes nas opas vermelhas!
Ninguém supôs que nesta aldeia havia
Tantos bigodes e tais sobrancelhas!

Ai, que bonitos que vão os anjinhos!
Com que cuidado os vestiram em casa!
Um deles leva a coroa de espinhos.
E o mais pequeno perdeu uma asa!

Pelas janelas, as mães e as filhas,
As colchas ricas, formando troféu.
E os lindos rostos, por trás das mantilhas,
Parecem anjos que vieram do Céu!

Com o calor, o Prior vai aflito.
E o povo ajoelha ao passar o andor.
Não há na aldeia nada mais bonito
Que estes passeios de Nosso Senhor!

 

barra2

1 comentário:

  1. Bonito! Muito bonito! É de facto uma pena as tradições se estarem a perder ou a evoluirem negativamente. Felizmente há já, pelo País fora, muito quem as tente recuperar e preservar.
    MP

    ResponderEliminar

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: