22/07/2009

Filuminismo – Perigo de incêndio

 

Estamos em pleno período de incêndios florestais. Aliás, este período deixou de estar marcadamente relacionado com o Verão já que sempre que se regista uns dias de sol, mesmo no Inverno, lá surgem os incêndios, como praga dos nossos dias. Ainda hoje está a chover mas se amanhã voltar o sol voltam os incêndios.

Pessoalmente não tenho a mínima dúvida em considerar que 99% dos incêndios nas nossas florestas são de origem criminosa e nem quero ir pela teoria da conspiração de que as empresas que alugam ao Estado os meios de combate aéreos são elas próprias as primeiras interessadas nos incêndios e por conseguinte surgem como potenciais suspeitas na deflagração de muitos focos; Esse é um assunto da responsabilidade das autoridades.

Seja como for, localizado entre o mar e a serra, sempre vivi numa zona de muita floresta, mato e pinhal, onde predomina o pinheiro bravo, o eucalipto e outras espécies de menor representação, como o carvalho, o castanheiro e a acácia. Durante toda a minha infância e juventude, nunca tive a oportunidade de assistir a um incêndio, mesmo nos verões terrivelmente quentes, com semanas consecutivas de tempo seco e altas temperaturas. Algumas situações contribuiam para isso: Por um lado os matos e pinhais estavam sempre impecavelmente limpos. Todos os resíduos (tojo, carqueja, urze, esteva) eram aproveitados pelos lavradores para a cama dos animais e assim produzirem estrume natural para fertilizar as terras. Os resíduos de lenha eram totalmente utilizados para o lume, para aquecimento e para cozinhar. Os caminhos vicinais, públicos e de servidão, estavam sempre impecavelmente transitáveis para pessoas, carros-de-bois e até tractores. Finalmente, não menos importante, nesses tempos a autoridade e a justiça eram mesmo exercidas, muitas vezes reconhecidamente de forma exagerada e desproporcionada, mas que não davam lugar à criminalidade banalizada que hoje se regista.

Hoje em dia, com o abandono das terras, os campos, matos e pinhais estão de um modo geral abandonados, desmazelados e entregues à Natureza e à mão maldosa do homem. Este, por sua vez, goza de uma impunidade gritante e a autoridade pouco ou nada pode fazer; as condenações efectivas dos poucos criminosos apanhados são ridículas e permissivas.

Com todo este conjunto de situações, não surpreende que de ano para ano as nossas manchas florestais estejam a ser dizimadas para prejuízo económico e sobretudo do ambiente.

O Governo todos anos gasta enormes recursos económicos no combate a incêndios mas muito ainda está por fazer na área da prevenção, tanto a nível legislativo como no da educação e fiscalização permanente das nossas florestas. De algum modo, os proprietários deveriam ser obrigados ou incentivados a fazer limpezas periódicas; Os caminhos deveriam manter-se limpos e transitáveis, entre outras medidas. Estou certo que uma grande fatia do dinheiro gasto com bombeiros, aviões e helicópteros, se fosse distribuido pelas populações e proprietários para aplicação na gestão da floresta e da sua limpeza, os incêndios teriam uma acção reduzida, longe das proporções atingidas actualmente. Todavia, esta política de gastos importa a muita gente menos aos proprietários. Terminar com os incêndios seria pôr cobro a interesses instalados e aos lucros fáceis de muita gente.

Dentro deste contexto das medidas de prevenção, publicamos hoje uma sequência de carteiras de fósforos, editadas pela Fosforeira Portuguesa – Espinho, creio que no final dos anos 70, já com uma componente educativa.

 

filuminismo perigo incendio santa nostalgia 10

filuminismo perigo incendio santa nostalgia 1

filuminismo perigo incendio santa nostalgia 2

filuminismo perigo incendio santa nostalgia 3

filuminismo perigo incendio santa nostalgia 4

filuminismo perigo incendio santa nostalgia 5

filuminismo perigo incendio santa nostalgia 6

filuminismo perigo incendio santa nostalgia 7

filuminismo perigo incendio santa nostalgia 8

filuminismo perigo incendio santa nostalgia 9

(clicar nas imagens para ampliar)

 

barra2

2 comentários:

  1. cantinhodacasa22/07/09, 23:17

    Parabéns pelo post.
    Estou 100% de acordo com o aqui registado.
    Ainda me lembro de passar na televisão, anúncios do mesmo género da imagens aqui postadas.
    Quanto ao post, óbvio que há muitos interesses em jogo.
    É lamentável não pensarem que, daqui a uns anos, as crianças de hoje, irão sofrer as consequências quando forem adultos.
    Penso que o Estado devia sim dar subsídio aos donos da mata, mas com multas pesadas caso não cumprissem com a limpeza dos seus terrenos.
    Dói-me muito, acredite, ver a floresta a arder, seja em que altura do ano for.
    E, se não se importa, vou divulgar este post no meu blog.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Cantinhodacasa,
    de facto assim é.
    Podem comprar ou alugar muitos aviões e helicópteros, congregar o esforço da Protecção Civil com os Bombeiros mas a coisa não vai lá sem o envolvimento dos proprietários ao nível da limpeza e da vigilância, obrigados ou incentivados.
    Neste momento temos milhares e milhares de desempregados que poderiam estar a fazer serviço de vigilância e limpeza, afinal o Estado está a pagar-lhes, mas suspeito que uma medida destas seria demasiado impopular para ser implementada.
    Quanto ao post, fique à vontade para republicar o que achar que possa ter algum interesse.

    ResponderEliminar

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: