01/03/2010

Margarina Planta

 

cronica feminina_planta_01_sn

cronica feminina_planta_02_sn

cronica feminina_planta_03_sn

Série de três cartazes publicitários à margarina Planta, publicados em 1966 e 1967 e um vídeo no Youtube a condizer.

Para os cozinhados, as donas-de-casa preferiam a margarina Vaqueiro, mas para barrar o pão, logo pela manhã ou como lanche vespertino, a Planta era de facto a gordura preferida.

O paladar da Planta era assim apregoado como “para pessoas de bom gosto”. Era considerada “a mais saborosa”, “a mais pura” e “a mais fresca”.

Podia ser tudo isso, mas na verdade nunca fui grande apreciador destas gorduras. Quando muito, preferia uma semelhante, mas que considerava mais apetitosa, a Alpina; Mesmo hoje, raramente como Planta, e apenas ao pequeno almoço quando durmo fora, barrando o pão com aquelas pequeninas embalagens individuais, quase sempre misturadas com comptas e pattés.

Nos meus tempos de criança e adolescente preferia os clássicos cremes de chocolate, como a Tulicreme.

Seja como for, a Planta tem o mérito de ser uma clássica marca e um clássico produto que chegou aos nossos dias com a mesma popularidade.

*

*

1 comentário:

  1. Planta entrou na nossa casa, pela mão de uma colaboradora da marca, que nos finais dos anos 60 a andavam a distribuir gratuitamente, porta a porta. Lembro-me de quando a minha mãe chegou do trabalho e eu lhe disse que nos a tinham dado, não queria deixar ninguém experimentar, com medo de que estivesse estragada ou coisa do género. Foi uma vizinha nossa que era professora que a convenceu que se tratava apenas de um modo diferente de fazer reclame (como na altura se dizia) ao produto. Assim começamos a ser consumidores de planta.

    ResponderEliminar

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: