29/07/2010

Chocolates Aliança


chocolate alianca sn1


Confesso que desconheço de todo o que aconteceu à fábrica de chocolates Aliança. Encerrou? Quando? Terá sido retomada por outra empresa, a exemplo do que aconteceu em 2000 com a popular Regina, agora propriedade da Imperial?
São questões que de facto desconheço e nem consegui apurar pois as informações disponíveis são reduzidas e quase inexistentes.
Apesar disso, tenho boa memória desse chocolate que nos anos 70 a minha mãe comprava de vez em quando para confeccionar uma guloseima, especialmente ao Domingo, ou em dia de festa.
O cartaz publicitário que acima publico refere-se, pois, ao chocolate Bleuville, da Aliança, utilizado na confecção de doces, bolos e mousses.
Fica a memória desses doces tempos de criança e das não menos deliciosas lambarices.

Actualização:
Já depois do post original, obtive mais algumas informações sobre a Aliança:
A Aliança na actualidade e desde 1997, ano em que foi adquirida,  pertence à empresa Vieira de Castro – Produtos Alimentares, S.A. cujos produtos são comercializados sob a marca Vieira, uma das maiores fábricas do país com instalações em Gavião – Vila Nova de famalicão. A Vieira de Castro foi fundada em 1943, então como fabricante de pastelaria tradicional e regional.

Por sua vez a Aliança remonta a 1919 altura em que é criada a Sociedade Industrial Aliança originada pela fusão das anteriores empresas "Fábrica do Caramujo" de Viúva de A.J. Gomes e C.ª e "Cruces & Barros", obviamente mais antigas.

1 comentário:

  1. Caríssimo,
    A Aliança (Junqueira-Lisboa), tal como a Regina (Sto. Amaro-Lisboa),tiveram o mesmo destino. Fecharam para venda dos terrenos ao imobiliário.
    O que resta são as Marcas que estavam Registadas as da Regina na Imperial e as da Aliança não sei onde.
    A Fábrica Aliança na Junqueira, fechou vai para alguns anos e ainda consegui ver o seu interior com as maquinarias já paradas, pois despertou-me o interesse e fui ver a venda do património em hasta.
    Se não estou em erro as marcas e Patentes foram vendidas por 5.000.000$00, sendo que a maioria delas já tinham os prazos caducados.
    Hoje qualquer das antigas instalações tem projectos imobiliários construidos de novo nos antigos espaços.
    O mesmo se passa com A Fábrica de Chocolates Favorita na Graça em Lisboa, com projecto imobiliário no terreno, mas parado. Aí o negócio parece ser outro.
    Abraço amizade
    Carlos Caria

    ResponderEliminar

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: