11/07/2010

Velhos caminhos

 

Ontem, Sábado, já ao declinar da longa tarde mas ainda com o sol teimoso na descida, fui dar uma caminhada por velhos lugares e sítios percorridos em criança. Nessa altura, eram um palco misto de brincadeira e trabalho. Nas canseiras das lides do campo, ajudando os pais, havia sempre tarefas a cumprir, desde o tempo da preparação das leiras para receber as sementeiras até às colheitas, já por meados de Outubro, passando pelas mondas e regas, não faltavam motivos de cuidados e mil canseiras. A plantação da batata, do milho, feijão, centeio, aveia, até às podas e vindimas, ou mesmo no cuidado e guarda de algumas cabeças de gado, era sempre um pão-nosso-de-cada-dia, trabalhado, suado mas abençoado. Mas é claro que havia também tempo e lugar às brincadeiras, vestidas de aventuras de índios e cow-boys, Robin dos Bosques, Tarzan ou Pequenos Vagabundos.

Passados todos estes anos, quase tudo mudou: Essas generosas leiras, de onde se arrancava parte da subsistência diária, estão agora transformadas em extensões de pinhais bravios onde apesar da beleza das amoras silvestres, que já começam a engordar e a pintar, os silvados são reis e senhores. Os carreiros, ainda vincados de outros tempos, são mais estreitos e submersos pela vegetação que cresce a seu belo prazer. Os regos sinuosos por onde passavam ligeiras as águas cantantes a caminho das regas, como veias caudalosas levando vida aos grossos e verdes milheirais, estão quase impraticáveis porque já ninguém os usa. As represas, esses regaços límpidos de águas de nascentes e minas, são uma pálida imagem de outros tempos e outras necessidades mas nelas ainda moram as rãs e sapos e à sombras da densa vegetação que as adornam, ainda namoram piscos, rouxinóis, pintassilgos, melros, gaios e pegas. Os moinhos, tocados pela força dessas abundantes águas, estão já em ruínas, sem telhados e esventrados na sua inutilidade e dá pena ver os rodízios podres pelo tempo, evocando outros dias e  noites em que incansáveis giravam afogados no infinito corropio da moagem dos consortes.

Mesmo assim, mesmo com toda esta dor de alma e de coração, faz-nos bem este regresso aos palcos da nossa meninice porque apesar desse entorpecimento e abandono das coisas e lugares, ainda é possível absorver muitas marcas de coisas imutáveis, como um velho muro, um velho carvalho, um aqueduto de água, a represa, o moinho, etç. Não é difícil adivinhar as mulheres a cantar pelos campos, alegres e distraídas; Ainda é possível sentir o cheiro morno da leiva da terra rasgada pela charrua puxada a bois nas frescas manhãs da Primavera na companhia das irrequietas alvéolas; Quase que sentimos o cheiro maduro das uvas e um mosto doce como banquete de abelhas e pássaros ou, mais cedo, uma aguarela de flores que hão-de brotar frutos.

Num desses sítios, um autêntico paraíso na terra, palco verde e fresco de uma sinfonia matinal de chilreios e de águas cantantes, estão já a decorrer obras de mais uma auto estrada, a A32 e tudo está já de pantanas e mesmo ao lado do velho moinho, onde tanta farinha vi nevar, mas agora em tristes ruínas, estão já a nascer pilares para um longo viaduto. É verdade que já não tem as frescas vides e sombras dos frondosos carvalhos e castanheiros como companhia, mas parace que vai descansar o resto dos dias á sombra do viaduto. Felizmente, mesmo à passagem do pogresso e dos caminhos de betão e asfalto, ainda há umas résteas de alguma sensibilidade e, sempre que se pode, preservam-se essas marcas de um tempo, de um povo e de um viver.

Já com o sol a brincar às escondidas por detrás dos pinhais do monte, volto costas e subo de regresso a casa, não muito longe, o que permite outros e constantes regressos, mas não deixo de pensar: – Meu Deus, o que te fizeram, vellhos sítios, o tempo e os homens!

velhos caminhos 1

velhos caminhos 4

velhos caminhos 2

velhos caminhos 5

velhos caminhos 6

velhos caminhos 7

velhos caminhos 8

velhos caminhos 9

velhos caminhos 3

(clicar nas imagens para ampliar)

3 comentários:

  1. João Nunes joaolcn@sapo.pt11/07/10, 19:39

    parabéns por saberes colocar tudo isto em palavras.
    sei perfeitamente o que estas palavras dizem e apesar de viver onde nasci tenho saudades desses velhos tempos, também sei que não se poderia viver do mesmo modo que se vivia nesses tempos, mas sinto-me impotente quando penso como,ou se, serei capas de transmitir esses doces tempos aos meus filhos

    ResponderEliminar
  2. Já há alguns meses que acompanho este blogue, no entanto ainda não me tinha manifestado, talvez por inibição ou por achar que ainda não tinha chegado o momento certo ou, talvez, porque nunca concordei com o anonimato do autor num blogue desta natureza e qualidade.
    Mas hoje, perante este texto e a carga nostálgica que contém, com a qual me identifico totalmente, pois esses lugares do passado são também os meus, em locais diferentes mas semelhantes na vivência do passado e na saudade do presente, não posso deixar de lhe endereçar os meus parabéns pelo excelente trabalho.
    José Alexandre

    ResponderEliminar
  3. João Nunes e Joalex, obrigado pelas palavras e por se reverem nestes sentimentos e memórias nostálgicas. É um dos objectivos do blog, a partilha de coisas mas também de sentimentos e estados de alma, sobretudo os que nos acorrentam a esse belo tempo infanto-juvenil.

    Joalex, é verdade que por regra o autor do blogue não fala muito de si próprio e prefere partilhar simples e pequenos pedaços de memórias e nostalgias que certamente serão comuns a muito dos habituais visitantes e basta ver pela sondagem que por aqui decorre, que o grosso de quem passa por cá é malta que já tem muita escola de vida, como diz muito bem no seu blog.
    Aliás, passando pelo seu espaço e lendo a sua apresentação, posso dizer que temos muitas coisas em comum, até mesmo a passagem pela Marinha, embora em diferente tempo.
    Seja como for, quem segue com alguma atenção este espaço, e não serão tantos como os que desejaria, digamos que certamente já reuniram elementos para o retrato do autor, o que de resto é irrelevante.

    Voltem sempre!

    ResponderEliminar

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: