18/01/2012

Miguel Torga - Evocação

 

 

miguel torga sn17012012

 

Miguel Torga, um nome incontornável da literatura portuguesa, é dos nossos preferidos. Temos, por isso, já evocado aqui a sua memória.
Ontem passaram 17 anos sobre a sua morte (17 de Janeiro de 1995 - Coimbra). De forma singela, e com um novo rabisco, fica aqui a evocação.

 

A um negrilho

 

Na terra onde nasci há um só poeta
Os meus versos são folhas dos seus ramos.
Quando chego de longe e conversamos,
É ele que me revela o mundo visitado.
Desce a noite do céu, ergue-se a madrugada,
E a luz do sol aceso ou apagado
É nos seus olhos que se vê pousada.

Esse poeta és tu, mestre da inquietação
Serena!
Tu, imortal avena
Que harmonizas o vento e adormeces o imenso
Redil de estrelas ao luar maninho.
Tu, gigante a sonhar, bosque suspenso
Onde os pássaros e o tempo fazem ninho!


Tópicos relacionados:

Miguel Torga - 12 de Agosto de 1907
Um palmo de sonho

1 comentário:

  1. quero uma análise completa do poema, incluindo exemplos de recursos expressivos e os versos em que estão presentes.
    obrigada, atenciosamente.

    Marlene!

    ResponderEliminar

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: