20/01/2012

Trindade Coelho – Quando a esperança não se cumpre

 

 

marcha futuro

De um dos belos livros de leitura da quarta classe, datado de 1973, uma das leituras, intitulada “Marcha para o futuro”, incluía um curto mas belo texto de Trindade Coelho, onde de forma esperançosa antevia uma marcha vitoriosa dos jovens de então rumo a um futuro de uma Pátria renovada, assente na herança dos pais e antepassados.

Lembrava, também, “…indignos sereis da liberdade sem as virtudes dum bom cidadão: amar a Pátria; tornar próspero o País e fazê-lo respeitar.”.

José Francisco Trindade Coelho, um notável cidadão transmontano, de Mogadouro, homem da política e da literatura, viveu entre 18 de Junho de 1861 e 18 de Agosto de 1908, um republicano que partiu às portas da implantação da república (1910) embora ainda vivesse no tempo do cobarde regicídio que conduziu ao fim da monarquia (1 de Fevereiro de 1908).

Olhando agora para o actual estado da nação, não deixa de ser irónico ou quase profético que Trindade Coelho, a mais de um século de distância temporal, apesar de esperançoso nos tempos futuros, como os republicanos de então, alertava já para a indignidade de uma raça de cidadãos com liberdades mas sem as suas virtudes. As gerações que se lhe seguiram até aos nossos dias, tanto em período de ditadura como de democracia, com raras excepcções, não mais fizeram do que arrastar o país para este lodaçal onde falta a prosperidade, no seu sentido lato, bem como o respeito. Temos sido consecutivamente governados por gente incapaz, corrupta, oportunista, indiferente à realidade do país, fazendo-o viver acima das possibilidades, “à Lagardér”, desgovernando alguns raros períodos em que tivemos condições para nos cimentarmos na igualdade e justiça.

Chegamos a este ponto, triste e lamentável da nossa História e Trindade Coelho de algum modo, apesar de incitar à esperança as futuras gerações, não viu de todo concretizado o lado optimista do seu pensamento mas precisamente o mais pessimista.

 

livro leitura 4 classe

trindade coelho

2 comentários:

  1. "Temos sido consecutivamente governados por gente incapaz, corrupta, oportunista, indiferente à realidade do país, fazendo-o viver acima das possibilidades, “à Lagardér”
    desculpa mas essa parte só em democracia , o seu a seu dono .

    ResponderEliminar
  2. Há aqui uma confusão - que já vi em muito sítio: o Trindade Coelho, José Francisco (1861-1908), o Autor d'«Os Meus Amores» e do «In illo tempore» sempre foi monárquico.
    Republicano foi o filho dele, Henrique (1885-1934), que também escreveu, mas sem os méritos do pai. Foi director do Século, jornal republicano e, com a república, foi diplomata.

    ResponderEliminar

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: