19/06/2012

Rebuçados Zoológicos Vitória

 

Quase 6 anos depois, volto às memórias relacionadas com a colecção de cromos “Rebuçados Zoológicos Vitória”, também conhecidos pelos “animais” ou pelos “bichinhos”.

Desta vez para publicar e comparar as páginas e cromos de duas diferentes edições; a primeira de meados dos anos 40 e a segunda do final dos anos 60, princípios de 70, precisamente a que coleccionei aquando criança.

As diferenças são notórias já que na edição mais antiga, os desenhos dos cromos eram mesmo muito básicos, certamente desenhados por alguém pouco habilidoso tanto nas questões de desenho como nos conhecimentos da anatomia animal.

Na edição mais recente, e certamente das últimas, os cromos foram redesenhados por Carlos Biel e de um modo geral são mais apelativos e agradáveis de coleccionar. De referir que nesta revisão, alguns dos animais foram substituídos por outros, mantendo-se, porém, o grosso da ordenação e correspondência entre todos os 200 “bichinhos”, nomeadamente os três carismáticos “bacalhau”, Nº 42, a “cobaia”, Nº  147 e o “cabrito”, Nº 199. Na edição antiga alguns animais eram representados nos dois géneros (masculino e feminino, como gato e gata), o que foi corrigido nas edições finais.

Uma das características comuns a ambas as edições é a impressão dos cromos com cores sortidas, isto é, o mesmo cromo poderia ter qualquer umas das várias cores adoptadas, como preto, azul, sépia, verde, vermelho, nuance que permitia que, depois de colados os cromos, as páginas ficassem com um colorido interessante. Resta acrescentar que alguns meus colegas, mais “esquisitinhos”, faziam por coleccionar cada página com cromos de cores iguais o que, é fácil perceber, dificultava bastante o preenchimento.

Apesar da delicadeza ou fragilidade da caderneta e dos cromos, em “papel cebola”, prejudicados ainda pelas colas artesanais usadas pela criançada para fixar os cromos às cadernetas, a verdade é que as poucas sobreviventes continuam a exercer um encanto e fascínio próprios. Por outro lado, as colecções completas e em bom estado podem atingir valores exorbitantes, nomeadamente as primeiras edições, mais rústicas ou toscas mas muito mais raras e valiosas sob um ponto de vista de artigo coleccionável.

rebucados vitoria 01

rebucados vitoria 02 

rebucados vitoria bacalhau old

rebucados vitoria bacalhau new

rebucados vitoria cabrito old

rebucados vitoria cabrito new

Nota: Segundo informações, não confirmadas, a Fábrica de Confeitaria Vitória, da Rua da Vitória Nº 261 - Porto, terá sido fundada por Manuel Joaquim Dias, em 1924, que geriu a empresa até 1947 altura em que lhe sucedeu o filho e sócio, Manuel Amil Dias.

3 comentários:

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: