29/08/2012

Livros de leitura da primeira e segunda classes – Informações complementares

 

livro_leitura_1_classe

livro_leitura_2_classe

A propósito do trabalho gráfico e artístico de Luis Filipe de Abreu e Maria Keil nos livros de leitura da primeira e segunda classes da escola primária, que no final dos anos 60 até meados dos anos 70 marcaram indelevelmente algumas gerações de portugueses, consegui, neste documento "DISSERTAÇÃO APRESENTADA À FACULDADE DE ARQUITECTURA DA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA PARA OBTENÇAO DO GRAU DE DOUTOR EM DESIGN”, uma interessante entrevista que Luis Filipe de Abreu concedeu a Ana Margarida de Bastos Ambrósio Pessoa Fragoso, em Abril de 2005, onde explica como aconteceu esse trabalho a “quatro-mãos de duas gerações diferentes”.

Luís Filipe de Abreu:

(…) A Maria Keil também teve uma intervenção bastante importante. Há muitos desenhos dela, muita ilustração, e já com um toque muito moderno que se distanciava muito do que era feito vulgarmente. A Maria Keil foi muito tocada pelo Fred Kradolfer e segue essa linha logo desde muito nova. A título de curiosidade, refiro um encontro que não deixa de ser curioso analisado a esta distância. A Maria Keil tem mais anos do que eu, fez no ano passado 90 anos, mas por altura dos anos 60 e a propósito dos livros didácticos, dos livros escolares, eu trabalhei com a Maria Keil.

Entrevistadora: Mas o resultado é positivo. Eu, pelo menos, tenho uma memória muito agradável destes livros.

Luís Filipe de Abreu:

Foi um trabalho feito a meias. Umas ilustrações de Maria Keil e outras minhas. (Mostrando um desenho): Este desenho é meu, aliás estão aqui já os meus filhos. Aparecem várias vezes no livro. A ideia do Ministério era lançar um livro único, ao alcance de todas as bolsas. Toda a gente dizia muito mal por ser um livro obrigatório mas, no fundo, era uma medida económica que permitia levar um livro de uma certa qualidade a todos os níveis: O da Segunda Classe custava 22$50 e o da Primeira Classe custava 16$00 ou coisa assim parecida.

Entrevistadora: Lembra-se da editora?

Luís Filipe de Abreu:

Várias. Entre elas esta, que não conheci, a Atlântida. Agora, fizeram reedições destes livros. Isto vinha a propósito dum encontro de gerações. Naquela altura o Ministério resolveu modificar e alterar os livros escolares porque os que havia estavam desactualizados. Fizeram concursos de textos para novos livros, concorreu gente muito boa como, por exemplo, esta equipa constituída por Judite Vieira, Manuel Ferreira Patrício e o Silva Graça (note-se que esta J. Vieira não era a conhecida escritora). Com o livro da Primeira Classe aconteceu também uma coisa semelhante: eram pedagogos muito activos, muito preocupados com coisas de ordem educacional e social. Fizeram um concurso para ilustração. Então o Lino António aconselhou a comissão com vistas à ilustração e apareceu o nome inevitável da Maria Keil, e o meu, que em 1968 era um rapaz novo mas que estava naqueles passos. Então resolveram esta coisa um bocado inesperada, de juntar os dois nomes num livro. Nós não achámos muito bem quando fomos abordados, porque considerámos um trabalho de difícil solução. Falei com a Maria Keil e concluímos: “Vamos experimentar” e resolvemos aventurar-nos. Se por um lado criou uma certa variedade, por outro lado criou certo embaraço aos dois. Eu acho que fizemos isto com a minha descontracção e com a boa vontade, o talento e a tolerância da Maria Keil.

-Entrevistadora: Mas o resultado é positivo. Eu, pelo menos, tenho uma memória muito agradável destes livros.

Luís Filipe de Abreu:

O resultado é bom em relação ao que se fazia e acho que foi positivo porque em 1968 mandámos imagens destas para os confins do nosso país. Acho que foi um grande sucesso. O que não deixa de ser curioso foi ser um livro feito a quatro mãos de duas gerações diferentes. O da Segunda Classe é mais bonito do que o da Primeira Classe. Tivemos imensas limitações técnicas porque nos foi dito que queriam uma edição muito barata. A Maria keil propôs o uso de cores directas, não utilizando a quadricromia, estava muito apostada nessa ideia das cores seleccionadas para a tipografia simples. Mas nessa altura os editores já entendiam que o offset era mais rentável. Tinham razão, mas resultou em desfavor dos originais no que se refere às cores. O segundo livro já foi feito para litografia mas as ilustrações também não correspondem aos originais.

Entrevistadora: Uma nova tecnologia de impressão, um novo problema.

Luís Filipe de Abreu:

Sim e aqueles originais que tinham sido feitos a pensar em cores directas, seleccionadas, que dariam um carácter que era muito usual nessa altura, sobretudo nos livros estrangeiros que apareciam, muito bonitos, transformaram-se num livro feito em offset com as cores mais imponderáveis, onde um tom tanto poderia ser verde, como castanho, como encarnado. Havia diferenças de impressor para impressor e os impressores preferidos foram, mesmo, os mais baratos embora tivéssemos feito recomendações para isto ser feito numa boa impressora. Uns foram em Coimbra, outros foram para o Porto, outros foram para Lisboa (…)

 

Informações complementares sobre a realização dos livros de leitura da primeira e segunda classes por Luis Filipe de Abreu e Maria Keil (1)

 

luis filipe abreu   maria keil
     
Luis Filipe de Abreu Maria Keil

 

Além das ilustrações respeitantes ao conteúdo de ambos os livros, também os arranjos das capas e os lay-outs de paginação geral fizeram parte da tarefa dos dois autores, Maria Keil e Luis Filipe de Abreu. Habitualmente fala-se só de ilustrações, o que não é tudo...
Estes autores apresentaram a composição dos textos de todas as páginas dos livros (incluindo os índices, no caso do livro da 2ª classe). Só assim se poderia concretizar o plano gráfico total e assegurar os espaços reservados a ilustração e texto, a inclusão de caracteres caligráficos, por vezes com cor vermelha, etc. Foram apresentadas laboriosas maquetas absolutamente completas da montagem dos referidos textos. As composições dos textos foram reproduzidas dessas maquetas feitas pelos ilustradores.


No caso do livro da segunda classe houve também que "desenhar" as cartas caligráficas simulando quatro diferentes estilos de letra de escrita manual. Este trabalho meticuloso e paciente foi feito pela Senhora Gracinda Ribeiro de Abreu, professora de Educação Visual.
Também neste livro as páginas de anotação musical foram produzidas por pessoa profissional desse domínio.
As capas foram desenhadas por Luís Filipe de Abreu com ilustrações de Maria Keil no da primeira classe, e de ambos no da segunda classe. As guardas deste foram criação de Maria Keil.


No geral e no que diz respeito ao design, paginação e montagens, grande parte das tarefas foram realizadas por Luís Filipe de Abreu, experiente nesse sector, sempre em acordo com Maria Keil. Daí resultou um equilíbrio na divisão do trabalho que não pode ser medido com rigor mas que esteve sempre no pressuposto da harmonia da relação amiga levando em conta as disponibilidades e apetências de cada artista. A colaboração com os autores dos textos considerada desejável, acabou por ficar reduzida a poucos contactos iniciais, dada a extensão, a complexidade do trabalho e o reduzido tempo estabelecido para a realização.


O convite do Ministério da Educação Nacional foi dirigido aos artistas através do Professor Pintor Lino António (então director da Escola António Arroio), membro da Comissão do Livro Único, presidida pelo Dr. Gomes Branco. Com ambos houve alguns contactos durante o trabalho mas sem qualquer interferência no desenvolvimento do plano artístico.

 

(1) Informações prestadas pelo próprio Luis Filipe de Abreu

 

- Livro de leitura da primeira classe

- Livro de leitura da segunda classe

1 comentário:

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: