25/03/2014

Arlindo de Carvalho – Cantigas populares

 

Quem não se recorda de cantigas tão populares como “Ó Manel da Rola”, “Chapéu Preto”, “Fadinho Serrano” e muitas outras que nos fazem recuar até aos anos 50, 60 e 70? Estas que referi têm a mão, na música ou na letra, ou em ambas, de Arlindo Duarte de Carvalho, um profícuo compositor e autor de muitas músicas ou cantigas de cariz popular, com temas de destaque para a sua Beira Baixa (nasceu na Soalheira – Fundão).

Ao longo dos tempos as suas músicas e cantigas, com fortes raízes populares, têm sido cantadas por intérpretes de prestígio nacional, como Amália Rodrigues, Luis Piçarra, Gina Maria, Corina, António Mourão, Tristão da Silva, Madalena Iglésias (no Fadinho Serrano), Maria de Lurdes Resende, Lenita gentil, Alexandra, António Pinto Basto e muitos outros.

 

[Biografia de Arlindo de Carvalho]

image 

image

image

image

Chapéu preto

Letra:    Arlindo de Carvalho
Música:   Arlindo de Carvalho 

A azeitona já está preta,
a azeitona já está preta,
Já se pode armar aos tordos,
já se pode armar aos tordos.

Diz-me lá, ó cara linda,
diz-me lá, ó cara linda,
Como vais de amores novos,
como vais de amores novos

Refrão

É mentira, é mentira,
É mentira sim, senhor!
Eu nunca pedi um beijo,
Quem mo deu foi meu amor!   

Ó que lindo chapéu preto
Naquela cabeça vai.
Ó que lindo rapazinho,
Para genro do meu pai.

Quem me dera ser colete,
Quem me dera ser botão.
Para andar agarradinha,
Juntinha ao teu coração

É mentira, é mentira,
É mentira sim, senhor!
Eu nunca pedi um beijo,
Quem mo deu foi meu amor!

 

Ó Manuel da Rola

Letra:    Arlindo de Carvalho
Música:   Arlindo de Carvalho 

Ó "Manuel da rola" das bandas d'além
Não me julgues tola, eu te entendo bem
Lá na minha terra, p'rós lados da Beira
Há muito ratão com a mesma ratoeira

Davas-me um beijo, não aceitei
Arrependida ai como fiquei
Se ainda queres mil beijos dá-me
Que um beijo só ainda faz mais fome

Ó Manuel da rola, tens as calças rotas
Tens os olhos tortos e as pernas marotas
Mas se eu estou à espera de um outro melhor
Fico sem casar, anda cá meu rico amor

Põe a carapuça, enfia-a bem
P'ra essa cara não t'a ver ninguém
Que a carapuça é tão bonita
Ai, ficamos um par mesmo catita

 

Fadinho Serrano

Letra:    Arlindo de Carvalho
Música:    Hernani Correia

Muito boa noite, senhoras, senhores
Lá na minha terra há bons cantadores
Há bons cantadores, boas cantadeiras
Choram as casadas, cantam as solteiras
Cantam as solteiras cantigas de amores
Muito boa noite, senhoras, senhores


Fadinho serrano és tão ao meu gosto
Fadinho catita, sempre bem disposto
Sempre bem disposto, seja tarde ou cedo,
Fazer bons amigos é o teu segredo
É o teu segredo sorrir ao desgosto
Fadinho serrano sempre bem disposto


Fiar-se em mulheres é crer no diabo
São todas iguais, ao fim, ao cabo
Ao fim ao cabo, moça que namora
Se vai em cantigas, essa é a que te chora
Essa é a que te chora, com esta me acabo
Fiar-se nos homens é crer no diabo
Essa é a que te chora, com esta me acabo
Fiar-se nos homens é o nosso fado

[Link 1]

[Link 2]

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Talvez queira rever: