30/05/2019

Cafés portugueses...são dos melhores



Cartazes publicitários, dos anos de 1941 e 1942, de apelo ao consumo de cafés com origens nas então províncias ultramarinas. 

Terá sido no reinado de D. João V, que Francisco de Melo Palheta introduziu a cultura do café na então colónia do Brasil, que depressa  se torna no maior produtor mundial. Desde então o café foi introduzido também nas ex-colónias portuguesas de Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe. Já quanto a Angola deve-se a sua mplementação a missionários portugueses. Quanto a Timor terá sido por iniciativa dos holandeses a propagação da cultura do café.

Não espanta, pois, que com a generalização do hábito de consumo do café, pelas suas qualidades estimulantes e mesmo medicinais, a sua produção tenha também aumentado nas ex-colónias portuguesas a ponto deste produto se tornar num dos mais importantes para a economia portuguesa de então e das suas províncias ultramarinas. Essa importância reflectia-se pela publicidade ou propaganda que o próprio Estado ou suas instituições promoviam ao consumo do café, como disso é exemplo a publicidade acima, em cartazes de 1941 e 1942, por isso já durante os difíceis tempos da II Guerra Mundial.
Escusado será dizer que na actualidade a cultura do café e sua exportação continuam como importantes nas economias dos respectivos países produtores.

Hoje em dia o consumo faz parte dos hábitos diários da maioria da população mundial, até mesmo já em regime de dependência. Assim, a indústria relacionada ao café tem crescido e diversificado na forma de levar o café ao consumidor, como a tendência recente do fornecimento em cápsulas herméticas, com diferentes aromas e intensidades, que, a par da generalização de máquinas de pequeno formato e baratas, permitem uma fácil e rápida preparação. O consumo de café tornou-se assim popular e democrático, mesmo que não propriamente barato. Apesar disso, ainda não se dispensa o hábito de tomar um café, bica ou expresso, ou outras formas, no local próprio, isto é, à mesa ou balcão do café. Não deixa de ser significativo que o produto café tenha dado nome ao estabelecimento onde é servido. Poucos produtos terão tido esta influência histórica e social.

Noutros tempos, porém, e remeto-me lá para os idos das décadas de 60 e 70, o café na nossa casa na aldeia era vendido a granel, nas mercearias, já moído, e era preparado em cafeteiras de ferro ou alumínio. Bebia-se ou tomava-se em abundância, simples ou com leite. Não raras vezes era a primeira refeição do dia, o pequeno almoço, misturado-se com pão, de trigo ou mesmo de milho.
Dizem, os mais velhos, que por essas alturas o café era café e que cheirava e sabia como tal. Hoje em dia, o café é apenas um pequeno e caro gole servido numa minúscula chávena mas que não se dispensa. Outros tempos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

TALVEZ QUEIRA REVER