24/02/2020

Escolarmente

Todos sabemos que a instituição escola anda pelas ruas da amargura. É recorrente, é cíclico, mas anda.

Do exagero disciplinar e curricular de outros tempos, abriu-se lugar ao exagero do laxismo, indisciplina e outras que tais e retirou-se a autoridade aos professores os quais não passam de meros piões das nicas. Agressões de alunos a alunos e destes a professores são rotineiras e já não indignam tanto quanto uma reacção dita racista a um desportista.
Hoje em dia, espicaçados pela premência do politicamente correcto esgotamos facilmente a nossa reserva de indignação em algumas situações e depois ficamos sem gás, sem chama para outros motivos de indignação.

Apesar de tudo, a escola e a educação são fundamentais e mesmo com notícias recorrentes de falta de condições em edifícios (com os pais a suportar do seu bolso algumas reparações, como foi notícia por estes dias) e falta de pessoal docente e auxiliar, certo é que no geral nunca houve tão boas condições.

Noutros tempos, a quarta classe era coisa séria. Hoje em dia passa-se quase uma década a fazer de conta que se anda a aprender, num quase permanente Jardim Infantil ou Pré-Primária. Não supreende, por isso e com isso, que seja surpreendente a impreparação de uma parte significativa dos alunos, sobretudo no ensino básico mas mesmo no secundário. Mas já não é necessário saber fazer contas certas, bastando saber utilizar a calculadora e o computador e consultar a Wikipédia. Está lá tudo, bastando copiar modernamente (copy/paste). A cabulice evoluiu e já não dependemos da espreitadela por cima do ombro do companheiro da frente ou do lado.

Os exames e avaliações tendem a acabar porque importa disfarçar os baixos resultados, porque os sucessivos Governos não lidam bem com números e estatísticas tão pouco abonatórias.

Mas, bem ou mal, é o que temos e é por aí que vamos indo. E, claro, é apenas uma opinião. Haverá outras, eventualmente totalmente opostas.


Planta e vista de um escola no séc. XIX.[daqui]

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.