Roy Rogers - O rei dos cowboys

roy rogers santa nostalgia 1

Uma das grandes paixões da nossa infância era, sem dúvida, os filmes de cowboys, as "cowboyadas", principalmente aqueles que passavam com mais frequência na TV, normamente na forma de séries, tais como o Bonanza, Lancer, Chaparral, Daniel Boone, David Crockett e outros tantos.

Para além desta vertente ao nível da televisão, paralelamente, o interesse e fascínio pelo far-west americano extendia-se também à banda desenhada, a que chamávamos livros de cowboys. Neste universo, os artistas ou heróis eram muitos mais, tais como Lone Ranger, o Mascarilha, a própria família Cartwright, da série Bonanza, Matt Dillon, Matt Marriott, Tex Willer, Kit Carson, Tex Tone, Cisco Kid, Billy the Kid, Búffalo Billi, Arizona Kid, Buck Jones, Hopalong Cassidy, Jerry Spring, Jim Canadá, Kansas Kid, Nero Kid, Red Ryder, Tomahawk Tom e outros mais.

Para além de todos estes nomes que preenchem o nosso imaginário, desta vez destaco o herói Roy Rogers, um personagem não apenas nascido pela arte e imaginação do papel e tinta, mas interpretado por uma figura real, o actor e cantor Leonard Franklin Slye.

Mais do que alguns filmes da sua extensa filmografia, recordo especialmente a série de banda desenhada "Roy Rogers", no formato de revista mensal, propriedade de Aguiar & Dias, distribuída pela Agência Portuguesa de Revistas, nos anos 70. As capas habitualmente representavam o herói, em fotografia a cores, exibindo as suas folclóricas vestimentas de cowboy, especialmente os casacos tão característicos com bandas às tirinhas.

Outra das imagens de marca de Roy Rogers, para além do seu inconfundível sorriso e olhos de chinês, era a sua bela esposa e companheira, Dale Evans (Frances Octavia Smith), o cavalo Trigger e o cão Bullet.

Roy Rogers e toda a sua saga, com a imagem muito romantizada da figura do cowboy, foi e ainda continua a ser uma fonte de popularidade nos Estados Unidos, cuja memória se encontra explorada por diversas formas de comércio e marketing, incluindo um museu.

Quanto a nós, faz parte da nossa memória da infância, sobretudo pelas suas aventuras publicadas na banda desenhada.


roy rogers santa nostalgia 2

Sobre o tema dos cowboys: De algum modo Roy Rogers representa  o estereótipo do cowboy do oeste americano, nomeadamente pelo uso de indumentárias coloridas e espalhatafosas. Um estilo muito romantizado pelo cinema e que de algum modo tornou-se como padrão. Mas na realidade os cowboys do velho oeste americano não eram exatamente como são retratados nos filmes. A imagem que temos dos cowboys é, em grande parte, baseada na cultura popular e em representações cinematográficas, que muitas vezes romantizam e exageram certos aspectos da vida nessa região dos Estados Unidos.

Os cowboys do velho oeste não usavam necessariamente chapéus de cowboy, botas de cowboy, coletes de franjas ou bandanas de pescoço, que são elementos comuns em representações populares dos cowboys.

Os cowboys não eram todos brancos. Muitos cowboys eram afro-americanos, nativos americanos, mexicanos ou de outras origens étnicas.

A vida no oeste não era apenas sobre cavalgar e perseguir bandidos. Os cowboys eram, na maioria das vezes, trabalhadores rurais que trabalhavam em fazendas e ranchos, cuidando do gado, arando campos e realizando outras tarefas agrícolas.

A vida dos cowboys era difícil e perigosa. Eles trabalhavam longas horas em condições difíceis, suportando o clima extremo, os ataques de animais selvagens e a possibilidade constante de confrontos violentos com outras pessoas.

A violência era comum no velho oeste, mas não era tão romantizada como regra geral é transmitida nos filmes. A maioria dos cowboys preferia evitar confrontos violentos sempre que possível, e muitas vezes recorriam à negociação ou à persuasão para resolver conflitos.

Em resumo, os cowboys do velho oeste eram essencialmente trabalhadores rurais e ligados à criação de gado, que desempenhavam um papel importante na economia e na cultura da região então em franco desenvolvimento, mas sua vida era muito diferente da imagem idealizada que tantas vezes é retratada no cinema e na cultura popular, sobretudo nas produções das décadas de 1940 a 1960. De facto, nem sempr eo que parece, é.





Comentários

  1. Este blogue é excelente.
    Amanhã irei dar destaque a este blogue na minha fábrica.

    Parece impossível que eu vá escrever o que vou escrever, e peço desculpas se for intromissão, mas este blogue faz-me lembrar uma pessoa, que não conheço fisicamente. Um Pedro F.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Oi
    Gostam de cowboys? Lembram a coleção Bufalo era a minha colecção de infância
    Que bom rever

    ResponderEliminar
  3. Alvaro C. Santos19/06/09, 16:08

    Anónimo
    Gosta de cowboys? Também sou apaixonado pelo tema
    Curiosamente encontrei no Miau.pt um livro da colecção Bufalo ´é o nº 12 da 1ªEdição chama-se Sinfonia de Morte, eu já o tenho mas se estiver interessado consulte-o eu cheguei lá clicando em livros e revistas literaura juvenil. Se gosta assim tanto pode ser que tenha interesse em tê-lo
    Sempre ao dispor
    Alvaro C. Santos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Mensagens populares deste blogue

Una, duna, tena, catena...

Revista Novela Filme - O homem que fazia chover

A Comunhão Solene ou Profissão de Fé

Pub-CF