Maria Keil

maria keill

Ontem regressava de Resende, das suas cerejas e cavacas, do Douro e Montemuro, quando pela rádio tomei conhecimento do falecimento de Maria Keil . Mesmo sabendo que já tinha uma generosa idade, fiquei triste porque se imobilizaram as mãos que ilustraram muitas das páginas dos meus livros de leitura da primeira e segundas classes.


Ainda com a boca embriagada da doçura de uma barrigada de cerejas, senti por momentos um travo amargo, mas a doçura voltou porque as memórias ligadas à Maria Keil e às suas ilustrações só podem continuar a ser doces.


Obrigado, Maria Keill, e descansa em paz!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Una, duna, tena, catena...

A Comunhão Solene ou Profissão de Fé

Revista Novela Filme - O homem que fazia chover

Pub-CF