14/08/2018

José Mário Branco - Permanente revolução


Aprecie-se, ou não, José Mário Branco é um dos nomes incontornáveis da cultura e música portuguesas e desta da designada popular e de intervenção. Desde um activo na igreja católica até militante do Partido Comunista, este carismático cantautor (cantor e compositor), com a curiosidade de ser filho do professor António Branco, profícuo editor de manuais da escola primária por esses tempos dos anos 60 e 70, é de facto uma figura indelével da nossa sociedade.

Relembramos a sua figura nesta capa da revista Tele Semana de 12 de Julho de 1974, por isso logo a seguir ao 25 de Abril, em que os cantores de intervenção, atá então reprimidos e alguns deles exilados, soltaram toda a sua energia e marcaram musicalmente todo esse período pós-revolucionário.
JMB, regressou do exílio em França e na entrevista então dada à emblemática revista de assuntos televisivos e do espectáculo, disse que "...juntei-me com alguns camaradas, para tentarmos fazer um trabalho colectivo de carácter revolucionário e na base de princípios ideológicos anti-reformistas".  Para além do que isso possa querer dizer, e na altura este tipo de chavões eram moda, José Mário Branco manifestava-se, então, contra os espectáculos no "Canto Livre" no palco do S. Luís, mesmo que com nomes como Adriano Correia de Oliveira, José Jorge Letria, Carlos Paredes, Manuel Freire, Sérgio Godinho e muitos outros, porque, considerava "...são espectáculos que se dirigem a um público priveligiado. Não é para esse público que os os cantores populares devem dirigir os seus esforços, mas sim para junto das massas trabalhadores (...)...para os trabalhadores em greve, nas fábricas, nos bairros e nas agremiações populares, como é o meu caso..."

Certo é que José Mário Branco, um pouco no lado marginal da nossa realidade musical, foi prosseguindo a sua carreira com carisma e nesse aspecto manteve-se fiel ao seu estilo, compondo e cantando como se vivêssemos numa permanente revolução.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

TALVEZ QUEIRA REVER