Tó Neto - O Jean-Michel Jarre português




Hoje trazemos à memória o artista musical português Tó Neto, falecido em Junho de 2013.

É considerado um pioneiro em Portugal na utilização de recursos electrónicos no panorama musical da época, seguindo de algum modo tendências de famosos artistas internacionais nesse género musical, com destaque para o francês Jean-Michel Jarre, o japonês Kitaro , o grego  Vangelis e outros mais.

Tó Neto nasceu em Angola em 1955, como  António Eduardo Benidy Neto.  Chegou a Lisboa em meados da década de 1970 onde iniciou a sua formação.

O seu disco de estreia foi lançado em 1983 num período em que já mexia a onda do rock em português.

Editado pela Sassetti, Láctea foi o seu disco de estreia, remetendo para uma temática do espaço e universo, tal como os temas de Jean-Michel Jarre, não se livrando por isso de uma certa associação ao estilo e conceito da música do francês. Talvez por isso, ou não, o álbum colheu algum interesse mediático na ocasião mas depois passou ao lado da onda do pop rock e de algum modo a sua carreira e os seus posteriores trabalhos pouca notoriedade tiveram, remetendo-se de algum modo a um mero circuito underground onde apesar disso era muito apreciado e conceituado.

Ao disco Láctea seguiram-se outros trabalhos como Big Bang, de 1986, e O Negro de 1989 num registo igualmente de música electrónica mas com sonoridades que remetiam para as suas origens angolanas e africanas. Seguiram-se os álbuns Wave View (1992), Angola (1994) e Planetário (1999). Néctar, foi o seu último trabalho discográfico.

Na década de  1980 chegou a trabalhar na RTP como músico residente e na década seguinte formou-se em Los Angeles, seguindo um caminho profissional na área do ensino da música electrónica. 

Tó Neto foi um importante artista do nosso panoram musical e mesmo que sem uma popularidade por aí além, até porque com actividade em tempos em que a carreira tinha que ser ganha a pulso, merece ser recordado porque faz parte da nossa melhor memória colectiva.

Comentários

  1. Uma boa iniciativa esta de recordar este invulgar músico português que teve um carreira bastante discreta. Saudade Tó Neto. DEP

    ResponderEliminar
  2. Ainda hoje ouço a música do Tó.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Mensagens populares deste blogue

Una, duna, tena, catena...

Revista Novela Filme - O homem que fazia chover

A Comunhão Solene ou Profissão de Fé

Pub-CF