Pastilhas Valda







A origem das clássicas pastilhas Valda, gomadas e de cor verde, remonta ao ano de 1901, sendo originais da França, tendo sido então criadas pelo farmacêutico Henri-Edmond Cannone.

Numa época em que as doenças respiratórias ceifavam muitas vidas, as pastilhas Valdas depressa se tornaram populares por supostamente conterem uma substância anti-séptica para além de mentol, eucaliptol e timol. Certo é que pelo menos causavam uma sensação de frescura e por isso um aparente alívio dos sintomas dos problemas respiratórios e de garganta como tosse e rouquidão e por isso se compreende a sua grande aceitação.

O produto e a marca chegaram aos nossos dias, sendo ainda muito populares, nomeadamente no Brasil onde o herdeiro do criador das pastilhas fundou e sedeou o Laboratório Cannone.

As pastilhas Valda, por adaptação aos mercados, reinventaram-se e sobretudo nas duas últimas décadas conheceram outras variantes de cor e sabor. Também as embalagens foram sendo modificadas e as tradicionais latinhas circulares em chapa metálica foram substituidas em 2001 por  similares mas em plástico. Também a imagem da marca e logotipos foram sendo mudados ao longo dos tempos.

Neste rumo de adaptação e modernidade as Valda mantém-se na onda do consumo de pastilhas com supostas qualidades terapêuticas. 

Não consegui confirmar, mas a nível mundial, para além do Brasil em que é detida pelo Laboratório Cannonne, a marca pertencerá à Omega Pharma Perrigo e em Portugal é comercializada sob a Perrigo Portugal.

Pessoalmente já devo ter consumido duas ou três latas das clássicas pastilhas, mas, em rigor, para o alívio para a tosse e rouquidão, e na altura debatia-me também com problemas de sinusite, a coisa de pouco valeu. 

No geral estes produtos são anunciados, fabricados e comercializados como uma espécie de remédio santo para muitos males ou maleitas, mas não passam apenas de guloseimas que se não fazem bem, também mal não farão, para além dos problemas associados a consumo de açúcar e outros ingredientes não naturais que devem fazer parte da composição.

Em todo o caso, independentemente da eficácia terapêutica, ou não, as pastilhas Valda são de facto um produto e marca já com uma longa história e por isso fazem parte da memória colectiva de muitas gerações de pessoas, sobretudo das que as consumiram em algum momento.

Comentários

  1. Olá! Ainda hoje faço uso dessas pastilhas. São ótimas para limpar a voz. E como canto... pastilhas valdas são perfeitas. Muito bom conhecer mais este cantinho. Beijo

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Os comentários estão sujeitos à prévia aprovação por parte do autor do blog.

Mensagens populares deste blogue

Colecção Formiguinha – Editorial Majora

Una, duna, tena, catena...

A Comunhão Solene ou Profissão de Fé

Pub-CF